quarta-feira, 15 de julho de 2020

COMO SERÁ O MUNDO APÓS A PANDEMIA DO CORONAVÍRUS



O mundo pós-pandemia ainda é uma grande incógnita. As mudanças serão tão grandes e numerosas que chega a ser difícil imaginar qual planeta encontraremos quando toda essa crise passar. Porém, analisando o passado a partir de outros eventos que transformaram toda a ordem social, é possível traçar alguns panoramas e imaginar como viveremos depois do coronavírus.

Na economia, será necessário um novo resgate. Este é um dos setores mais incertos do pós-pandemia, já que os estragos causados pelo desemprego podem ser de uma magnitude sem precedentes na história recente. Muitos planos estão sendo anunciados, mas a efetividade ainda é questionável. O mais provável é que seja notada uma queda geral no padrão de vida de todos que não forem muito ricos.

Covid-19 mudou nossas vidas. Não estou falando aqui simplesmente da alteração da rotina nesses dias de isolamento, em que não podemos mais fazer caminhadas no Minhocão ou ir aos nossos bares e restaurantes preferidos. Sim, tudo isso mudou nosso cotidiano e muito. Mas o meu convite para você é para pensarmos nas mudanças mais profundas, naquelas transformações que devem moldar a realidade à nossa volta e, claro, as nossas vidas depois que o novo coronavírus baixar a bola.

“O mundo mudou, e aquele mundo (de antes do coronavírus) não existe mais. A nossa vida vai mudar muito daqui para a frente, e alguém que tenta manter o status qual o de 2019 é alguém que ainda não aceitou essa nova realidade”, disse nesta entrevista para a BBC Brasil Átila, que é doutor em microbiologia pela Universidade de São Paulo e pós-doutor pela Universidade Yale. “Mudanças que o mundo levaria décadas para passar, que a gente levaria muito tempo para implementar voluntariamente, a gente está tendo que implementar no susto, em questão de meses", diz ele.

As residências serão adaptadas com espaços dedicados para escritórios domésticos, pois, trabalhar em casa será a norma, não a exceção. Isso sugere que a viagem se tornará um último, não primeiro, resort. A agenda ambiental ganhará impulso quando percebermos que o vírus é um grito de socorro de um planeta que adicionou 6 bilhões de pessoas em menos de 100 anos. E como o vírus forçará o cálculo de como tratamos o envelhecimento e como consideramos a privacidade.


Escrevemos como se estivéssemos em 2025. Recordamos as mudanças que ocorreram nos dias, meses e anos depois da grande crise de 2020. Impulsionar-nos para a frente nos permite traçar um caminho a seguir e fornecer indicadores principais do que está por vir. E sugere que existe um futuro de trabalho.


BIG BANG ON-LINE


A COVID-19 digitalizou o mundo na velocidade da luz. Setenta anos depois da revolução da tecnologia da informação, ficou claro no início de 2020 que, embora pensássemos que a tecnologia era grande, a TI havia realmente arranhado a superfície da vida. O vírus acabou com tudo isso.


Antes da pandemia, havia muitas alternativas digitais -- seja na saúde tradicional, educação, finanças, varejo; mas nós não estávamos tentando, lamentando “eles são muito caros” ou “sempre fizemos dessa maneira”. Mas quando a pandemia tomou conta, a necessidade ditou: “Supere, vá em frente, acostume-se a isso”.


A COVID-19 BIG BANG vaporizou as crenças de que determinados trabalhos nunca poderiam ser feitos on-line ou virtualmente. A lição duradoura do bug? Tudo o que poderia se mover on-line, se moveu on-line.


Estamos em 2025. Imagine-se 5 anos atrás. São 9 horas da manhã. Você está trabalhando em casa. Você não é um dos sortudos com um escritório em casa, então está na sala de jantar. Sua cara-metade também está trabalhando em casa, mas perdeu a aposta no pedra-papel-tesoura pela mesa, então está no sofá com o laptop. Os documentos e notas do trabalho estão espalhados por suas respectivas áreas de trabalho. Seus filhos -- cuja escola está fechada até segunda ordem -- estão fazendo todo o possível para distraí-los. (Se você tem crianças pequenas em casa, a força pode estar com você.) Você está ocupado/a tentando parar as brigas dos filhos e, ao mesmo tempo, apagar incêndios no trabalho. Que alegria! Você e sua cara-metade dividiram as coisas -- trabalho, culinária, crianças e tarefas domésticas. Você olha para o relógio: 9h07. Vai ser um longo dia.


Há pouco tempo, trabalhar em casa era um privilégio para poucos, mas quando a COVID-19 chegou, de repente se tornou uma necessidade para todos. Como em qualquer coisa na vida, o #WFH serviu para alguns, e para outros, longe disso. A mudança repentina pegou muitos de nós de surpresa. Tentar trabalhar produtivamente se tornou mais do que apenas ter um laptop de escritório e conectividade à internet. Representava mais do que conquistar um lugar na cozinha, na sala ou no quarto. Tornou-se uma luta pela sobrevivência -- pelo futuro do seu trabalho.


Depois da pandemia, novas casas construídas ou reformadas contaram com espaços dedicados para escritórios domésticos: roteadores no lugar certo, isolamento acústico, telas adequadas. As casas se tornaram castelos, o local capacitado com redes e plataformas para conectar, criar e realizar, para trabalhar de forma mais inteligente. Um lugar onde podemos nos isolar (e nos concentrar) e ainda permanecer conectados com o mundo inteiro. A chave para o sucesso do escritório em casa será a capacidade de criar e cultivar conexões profundas e baseadas em confiança com colegas, clientes, parceiros e qualquer pessoa no mundo conectado para realizar o trabalho.

HUMANOS NA MÁQUINA


Antes dos bloqueios, a tecnologia foi amplamente responsabilizada por elevar uma geração antissocial. Dispositivos = distração. Sobrecarga de informações = atenção limitada. No meio da pandemia da covid-19, aprendemos a amar nossas comunidades digitais, a encontrar felicidade na comunicação on-line e finalmente a dar às plataformas de videoconferência o respeito que elas mereciam.


Mas, de repente, a tecnologia se tornou a única coisa que nos manteve conectados durante nosso isolamento social forçado. As pessoas mais velhas que uma vez criticaram as interações virtuais estavam usando aplicativos como, por exemplo, o Houseparty como se fossem pequenos roteiristas. O vírus mudou de atitude aparentemente da noite para o dia e nos fez finalmente apreciar a tecnologia de comunicação digital que estava ao alcance de nossos dedos. Em vez de revirar os olhos a cada “todos podem colocar em mudo, por favor”, ficamos agradecidos pela oportunidade de manter contato -, uma oportunidade que não existiria se a covid-19 tivesse chegado uma década antes ou a qualquer momento na era pré-digital. Os jovens ficaram agradecidos (e divertidos) pelos avós finalmente aprenderem a utilizar o FaceTime para que pudessem conversar de uma maneira mais pessoal.


VIAGENS A NEGÓCIOS PERDERÃO SEU ENCANTO


A humanidade nunca voou tanto nos anos que antecederam a 2020, mas o clima do planeta não aguentou. Os ajustes anunciados pelo setor aéreo -- combustível de aviação sustentável e aviões elétricos (você voaria em um?) -- como uma resposta às mudanças climáticas nunca decolaram para uso em escala. Os 12% dos americanos que fizeram mais de seis viagens por ano representaram dois terços das viagens aéreas globais (e cada um deles emitiu, em média, três toneladas de carbono por ano).
A verdade inconveniente era que jogar toneladas de carbono no céu não era algo que poderia durar para sempre. O vírus transmitiu uma mensagem cósmica de que nosso comportamento de viagem precisava mudar, e, num piscar de olhos, as viagens de negócios passaram de atividades de alto status (“Você foi a Sydney para uma conferência? Oh, que maravilha!”) a um constrangimento (“Você foi a Sydney para uma conferência? Como você pôde?”). O hiato pós-vírus nos forçou a reexaminar nossos hábitos de vôo -- era essencial voar pela metade do mundo para a reunião de dois dias? “Todos nós consideramos o contato pessoal, mas as plataformas de comunicação como Slack, Zoom ou Trello quebraram o controle corporativo que a experiência presencial já teve.


LEMBRE-SE, ESTAMOS EM 2025


Se o surto e a propagação do vírus nos ensinaram alguma coisa foi o quão verdadeiramente e indissociavelmente interconectados e interdependentes somos -- biologicamente, economicamente e ambientalmente. Mesmo agora, todos esses anos depois, ainda não podemos medir o tamanho das consequências socioeconômicas da pandemia. Os trilhões de dólares são fáceis de contar, mas e os intangíveis? As oportunidades de carreira prejudicadas de um jovem? Tratar angústia psicológica?


Talvez o mais importante historicamente falando tenha sido como a desaceleração econômica prolongada de 2020-2022 interrompeu o relógio de nossos negócios frenéticos, como de costume, e nos permitiu dar um passo para trás, respirar fundo e começar a recalibrar como vivemos em nosso planeta azul. Muito azul, na verdade, na esteira da crise. Naquele momento de pausa, ficou óbvio para todos, menos para os mais míopes, que o vírus era um grito de socorro de um ecossistema que gemia sob o peso de expandir de 1,8 para 7,7 bilhões de pessoas em menos de 100 anos.

Vários futuristas internacionais dizem que o coronavírus funciona como um acelerador de futuros. A pandemia antecipa mudanças que já estavam em curso, como o trabalho remoto, a educação a distância, a busca por sustentabilidade e a cobrança, por parte da sociedade, para que as empresas sejam mais responsáveis do ponto de vista social.

Outras mudanças estavam mais embrionárias e talvez não fossem tão perceptíveis ainda, mas agora ganham novo sentido diante da revisão de valores provocada por uma crise sanitária sem precedentes para a nossa geração. Como exemplos, podemos citar o fortalecimento de valores como solidariedade e empatia, assim como o questionamento do modelo de sociedade baseado no consumismo e no lucro a qualquer custo.

EFEITOS DO CORONAVÍRUS DEVEM DURAR QUASE DOIS ANOS

As transformações são inúmeras e passam pela política, economia, modelos de negócios, relações sociais, cultura, psicologia social e a relação com a cidade e o espaço público, entre outras coisas.

O ponto de partida é ter consciência de que os efeitos da pandemia devem durar quase dois anos, pois a Organização Mundial de Saúde calcula que sejam necessários pelo menos 18 meses para haver uma vacina contra o novo. Isso significa que os países devem alternar períodos de abertura e isolamento durante esse período.

Diante dessa perspectiva, como ficam as atividades de lazer, cultura, gastronomia e entretenimento no centro e em toda a cidade durante esse período? O que mudará depois? São questões ainda em aberto, mas há sinais que nos permitem algumas reflexões.

Para entender essas e outras questões e identificar os prováveis cenários, procurei saber que tendências os futuristas, pesquisadores e bureaus de pesquisas nacionais e internacionais estão traçando para o mundo pós-pandêmico. A partir dessas leituras e também de um olhar para as questões que dizem respeito ao centro de São Paulo e à vida urbana em geral, fiz uma lista com algumas dessas tendências, que você pode ler a seguir.



Publicidade


Nenhum comentário:

Postar um comentário