quarta-feira, 16 de dezembro de 2020

PANDEMIA E AUXÍLIO FAZEM INFLAÇÃO TRIPLICAR EM QUATRO MESES E SUPERAR META

Quem consegue se lembrar de que inflação é um termômetro do comportamento da economia, terá mais facilidade em entender o que está se passando, neste momento, com a dança dos preços. Os desequilíbrios deflagrados pela pandemia de Covid-19 numa uma atividade econômica que já vinha frágil explicam a trajetória incomum de alta da variação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) em 2020. As informações divulgadas pelo IBGE nesta terça-feira mostram que a variação de preços, medida pelo IPCA, subiu 0, 89% no mês, avançou 3,13% no ano, e chegou a 4,31%, no acumulado em 12 meses, superando a meta de 4%. Os números observados ficaram bem acima das projeções, que variaram no intervalo de 0,7% a 0,85%, para novembro....

Um acontecimento raro, importante de ser observado, foi a disparada da inflação a partir de agosto. Há quatro meses, a alta de preços, em 12 meses, não passava de 1,6%, bem abaixo até mesmo do piso do intervalo do sistema de metas, que é de 2,5%. Daí em diante ocorreu uma disparada nunca antes vista de preços, concentrada em alimentos, mas também atingindo outros itens, triplicando a inflação. Não seria possível explicar esse fenômeno inédito sem a presença da pandemia e de seus efeitos na economia. O abrupto colapso dos mercados, com a concomitante paralisação da oferta e da procura, terminou por desarranjar a produção, provocando fortes desequilíbrios que foram se refletir na inflação rápida e ascendente.... –

Normalmente, a situação de fraqueza da atividade, expressa sobretudo numa altíssima taxa de desemprego, que passa de 14%, mas, se for considerada a situação pré-pandemia, está acima de 20% da força de trabalho, determinaria inflação também sem força. Mas o auxílio emergencial de R$ 600 mensais, valor 50% acima da renda média dos brasileiros pobres, que alcançou praticamente um terço da população, alterou a normalidade. A demanda por alimentos, artigos de residência e material de construção, reforçada pelo auxílio, encontrou uma oferta ainda insuficiente....

Diretamente no caso dos alimentos, categoria de produtos que está sendo mais pressionada no conjunto do IPCA, a escassez de oferta também foi reforçada pela elevação da taxa de câmbio, que levou a cotação do dólar a subir 30% no ano, até agora. Parte da produção de commodities de grande peso no consumo direto ou indireto das famílias — arroz, milho, soja, carnes, por exemplo — foi desviada para a exportação, sem que o governo providenciasse reforço dos estoques reguladores. O resultado é que a inflação de alimentos no domicílio, no acumulado de 12 meses encerrados em novembro, já subiu 21%....

Para dezembro, as perspectivas são de uma inflação mensal acima de 1%, reflexo do aumento das contas de energia, com a adoção da bandeira vermelha, patamar 2. A última vez que a inflação mensal superou essa marca foi em dezembro de 2019, com alta de 1,15%. Com essa base elevada de comparação, o IPCA acelerado previsto para dezembro não deverá produzir subida muito mais forte na inflação de 2020. Deve se situar acima do centro da meta, em torno de 4,5%, mas não ultrapassando o teto do intervalo em que, no sistema de metas, a variação do IPCA pode se acomodar....

 

FONTE: Uol economia

Nenhum comentário:

Postar um comentário